16º PubhD de Lisboa

Arte Multimédia, Eng. Eletrotécnica e de Computadores, Filosofia

8 de março, 19:30 – 21:30, no Bar Irreal

Em março vamos falar sobre o ‘material’ da arte feita com computadores, sobre tecnologias de imagem no diagnóstico do cancro da mama, e sobre o conceito de privacidade.

O PubhD de Lisboa reúne três investigadores de doutoramento, no ambiente informal de um bar, para explicarem a sua investigação em linguagem acessível e responderem a perguntas. Cada apresentação terá a duração de 10 minutos, seguida de 20 minutos para perguntas.

Tecnologias de imagem no diagnóstico do cancro da mama

Tecnologia de imagem para a deteção do cancro da mama.
Montagem experimental no âmbito do desenvolvimento em laboratório de uma tecnologia de imagem para a deteção do cancro da mama. Créditos: António Almeida.

João Felício (Engenharia Eletrotécnica e de Computadores) está a trabalhar no desenvolvimento de um sistema de obtenção de imagens para apoiar o diagnóstico do cancro da mama. Este sistema permitirá evitar operações invasivas, como a remoção dos nódulos linfáticos da axila.

O João está a fazer o seu doutoramento no Instituto de Telecomunicações. É engenheiro em Eletrónica e Computadores e interessa-se pelo desenvolvimento de antenas para aplicações em medicina e pela produção e computação de imagens médicas, nomeadamente recorrendo a radiação de microondas.

O ‘material’ das obras de arte computacionais

IBM 729
O IBM 729: Sistema de fita magnética de armazenamento de datos produzido entre 1950-1960.
Créditos: James Ball (a.k.a. Docubyte)

Rodrigo Ramírez (Arte Multimédia) procura perceber de que ‘material’ são feitas as obras de arte computacionais e daí concluir se faz sentido distinguir radicalmente as obras físicas das digitais.

Nesta investigação pretende compreender também o papel do computador enquanto ferramenta de produção artística e se a arte digital deve ser discutida apenas no âmbito da teoria dos média.

O Rodrigo está a fazer o seu doutoramento na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Mexicano a viver em Portugal há sete anos, é mestre em arte multimédia na vertente de fotografia. Interessa-se também pela filosofia da tecnologia, nomeadamente software e videojogos.

—–

O conceito de privacidade

Créditos: Edel Rodriguez, The Boston Globe, Set. 15, 2014.
Créditos: Edel Rodriguez, The Boston Globe, Set. 15, 2014.

Victor Correia (Filosofia Política) investigou o conceito de privacidade, no que ele tem de transversal às privacidades financeira, clínica, familiar, amorosa, político-partidária, ou religiosa, por exemplo.

O Victor estudou o significado e o valor da privacidade, incluindo o direito à privacidade e a sua relação com outros Direitos Humanos, com a tolerância, e com a comunicação.

Victor Correia terminou recentemente o seu pós-doutoramento em Filosofia Política na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É mestre em Estética e Filosofia da Arte e doutorado em Filosofia Política e Jurídica.

—–

Agradecemos que confirme a sua presença na página do evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/160410974468941/

Se quiser estar sempre a par dos próximos eventos do PubhD de Lisboa, subscreva a nossa mailing list.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.