19º PubhD de Lisboa em revista – parte 1

Rodrigo Lacerda1 falou-nos da história e do impacto do cinema produzido por realizadores indígenas no Brasil.

Há já várias décadas que o cinema é reconhecido como um meio para dar voz aos povos e às culturas indígenas. Filmes de autores indígenas têm sido exibidos tanto em festivais de cinema indígena como nos populares festivais internacionais de cinema.

Vídeos nas Aldeias
Créditos: Vídeos nas Aldeias

Depois de uma fase inicial em que a expressão cinematográfica permanecia ainda do lado de um realizador enquanto “mediador tecnológico”, a transferência do “saber fazer” através da formação de realizadores indígenas carateriza a fase atual.

É disso exemplo o projeto “Vídeos nas Aldeias”, iniciado nos anos de 1980, no Brasil, em que se constituiu uma escola de realizadores em aldeias indígenas e o acesso a equipamento e materiais.

Segundo o Rodrigo Lacerda, um dos resultados deste acesso a um suporte visual foi a circulação entre populações indígenas de imagens e material vídeo produzidos noutras comunidades. Foi enfim possível umas comunidades terem acesso à cultura visual de outras e reconhecer afinidades culturais e linguísticas, apesar da presença da televisão, e atualmente da internet, em muitas destas populações.

As obras refletem a espiritualidade e os mitos destas populações, mas também a pressão territorial e a asfixia provocadas pelas cidades e latifúndios envolventes.

Cineastas Indígenas
Créditos: Ariel Duarte Ortega, Patrícia Ferreira (Keretxu), Jorge Ramos Morinico e Vídeos nas Aldeias

O modelo de formação segue um regime de oficina diária, com a duração de 3 semanas, centrada na prática e na discussão do trabalho feito. As obras que têm sido produzidas refletem a espiritualidade e os mitos destas populações, mas também a pressão territorial e a asfixia provocadas pelas cidades e latifúndios envolventes a estas aldeias.

Rodrigo Lacerda, que estudou a expressão cinematográfica do povo Mbya Guarani, comenta que, embora na generalidade a tipologia mais comum seja o documentário, é presente uma certa “ficção”, uma vez que as referências espirituais permeiam o dia-a-dia destes povos.

 

Algumas das obras criadas no âmbito do projeto Vídeos nas Aldeias encontram-se em acesso livre no respetivo website. O catálogo pode ser acedido em http://www.videonasaldeias.org.br/2009/video.php

Conhecer as tecnologias de produção subjacentes é ter uma consciência mais ativa e informada sobre ao nível de “verdade” e de “transparência” desses meios de disseminação.

Uma das questões que se levantam é a de saber até que ponto este acesso a uma tecnologia com origem na “cultura dominante” não corre o risco de “impor” essa mesma cultura.

Rodrigo Lacerda argumenta que a tecnologia de disseminação já faz parte do dia-a-dia de muitas destas populações através da televisão, dos telemóveis e da internet. Conhecer as tecnologias de produção subjacentes é ter uma consciência mais ativa e informada sobre ao nível de “verdade” e de “transparência” desses meios de disseminação.

Fotograma do filme “Já me transformei em imagem”, disponível em http://www.videonasaldeias.org.br/2009/video.php?c=26.
Crédito: Zezinho Yube
(Hunikui (Kaxinawá))

Por outro lado, as populações que participam no projeto Vídeos nas Aldeias fazem-no de forma voluntária e não querem ser privadas destas tecnologias e de as apropriarem à sua maneira apenas pelo facto de serem indígenas.

1. Rodrigo Lacerda é investigador de doutoramento em Políticas e Imagens da Cultura e Museologia no Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, no ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa e no CRIA-Centro em Rede de Investigação em Antropologia.

Dentro de dias publicaremos a segunda parte deste resumo, onde daremos conta do que José Antar Mikosz partilhou connosco sobre a influência de substâncias psicoativas nas artes visuais.


Depois de uma pausa nos meses de Verão, a próxima sessão do PubhD de Lisboa será a 13 de setembro, no Bar Irreal.
Se quiser estar sempre a par dos eventos do PubhD de Lisboa, subscreva a nossa mailing list (apenas um e-mail por mês).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.